• Alimentação e câncer de pele

    O câncer de pele é provocado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele, e o seu tipo irá variar de acordo com a camada e célula afetada. Os mais comuns são o carcinoma basocelular, o carcinoma epidermóide e os melanomas.
    O carcinoma basocelular e o carcinoma epidermóide são designados como câncer de pele não melanoma, sendo o tipo mais frequente na população. Já o melanoma é menos frequente e mais agressivo.

    Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil em 2015, esperam-se 98.420 casos novos de câncer de pele não melanoma nos homens e 83.710 nas mulheres. Nos Estados Unidos, a Academia Americana de Dermatologia estima que haja dois milhões de casos novos a cada ano.

    A radiação ultravioleta é o principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de pele, porém outros fatores, como os fatores ambientais (radiação ionizante, intoxicação por metais pesados- arsênico) e fatores genéticos (história familiar, tipo de pele) contribuem para o seu desenvolvimento.

    A exposição à radiação ultravioleta (UV) promove uma alteração no material genético (DNA) que pode levar a neoplasia. Embora a pele possua um sistema de defesa antioxidante para lidar com o estresse oxidativo provocado pele radiação ultravioleta, a exposição crônica à luz UV pode sobrecarregar essa defesa do organismo levando a danos oxidativos e causando o câncer de pele.

    Os antioxidantes presentes na alimentação podem atuar ajudando a diminuir esses danos oxidativos, e assim retardar o processo de danos à pele. Os principais antioxidantes presentes nos alimentos são:

    – Carotenóides: presente na melancia, tomate, cenoura, abóbora, mamão, acerola, goiaba, manga, goji berry.

    – Vitamina A: presente no mamão, cenoura, espinafre, abobora, fígado, ovo, couve, espinafre, manga, tomate, abobora.

    – Vitamina C: laranja, morango, acerola, goiaba, mamão, goji berry, lichia, abacaxi, kiwi.

    – Vitamina E: presente em gérmen de trigo, semente de girassol, avelã, óleo de girassol, amendoim, castanha do pará, amêndoa, pistache.

    – Zinco: presente em carnes vermelhas, ostras, fígado, ovos, nozes, castanhas, arroz integral, semente de abóbora, aveia.

    – Selênio: presente na castanha do pará, carnes vermelhas, aves, aveia, arroz integral.

    É importante ressaltar que não existe comprovação cientifica que o uso de suplementos de vitaminas e minerais possa reduzir o risco de câncer, e a suplementação deve ser indicada apenas pelo seu médico e/ou nutricionista.

    A principal recomendação é ter uma alimentação saudável, variada e equilibrada, sendo um prato bem colorido a garantia de estarmos ingerindo os nutrientes necessários ao nosso organismo. Além de, principalmente, proteger-se do sol.

    Larissa Monteiro
    Nutricionista Clínica do Centro de Combate ao Câncer

    Referências Bibliográficas:
    • Godic Aleksandar, Borut Poljsak , Metka Adamic. The Role of antioxidants in Skin Cancer Prevention and Treatment. Oxid Med Cell Longev. 2014.
    • Nutrição clínica, funcional e preventiva aplicada à Oncologia: teoria e prática profissional. Garófalo, Adriana. Rio de Janeiro: Edutora Rubio, 2012.
    • Lin Jennifer, et al. Vitamins C and E and Beta Carotene Supplementation and Cancer Risk: A Randomized Controlled Trial. J Natl Cancer Inst. Jan 7, 2009.
    • Brian D. Lawenda, et al. Should Supplemental Antioxidant Administration Be Avoided During Chemotherapy and Radiation Therapy?. J Natl Cancer Inst, 2008.
    • Instituto Nacional do Câncer – INCA

Agende sua Consulta

(11) 3059 6000 - seg à sex das 8h às 19h
Além de seus documentos pessoais, é muito importante que voce traga em sua primeira consulta seus exames mais recentes (anátomo patológico e exames de imagem) e o encaminhamento do seu médico.

 
 

Acreditações

Qualidade e excelência no atendimento reconhecidos no Brasil e no exterior.

Joint Commission International - desde 2014
Accreditation Canada - de 2010 a 2013
ONA - desde 2009