• O impacto de uma equipe multidisciplinar no tratamento do câncer

    O diagnóstico do câncer engloba mais de 600 tipos de tumores diferentes, cujos tratamentos variam de acordo com a origem da célula e o tipo do tumor, o estágio em que se encontra e a história natural da doença. A complexidade da doença torna necessário o envolvimento de uma variedade de profissionais durante as diversas fases do tratamento.

    Esta equipe de profissionais, composta por diversas especialidades, é conhecida como Equipe de Atendimento Multidisciplinar (EMD), sendo formada por oncologistas clínicos, cirurgiões, radioterapeutas, enfermeiras, farmacêuticos, nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos.

    Outros grupos com formação especializada, tais como radiologistas, patologistas e especialistas em cuidados paliativos também contribuem para o atendimento de pessoas com câncer e compõem, ao longo das diversas fases do tratamento, a equipe de atendimento do paciente.

    Na literatura existem diversos estudos que mostram que cuidar do paciente em equipe multidisciplinar otimiza o trabalho e pode reduzir a taxa de mortalidade, além de melhorar a gestão hospitalar e ambulatorial. A demanda pela formação de equipes cresceu em paralelo com a reforma dos cuidados em saúde e das expectativas crescentes para a melhoria da qualidade do atendimento e do entendimento da relação custo-benefício em saúde. Compreender como as equipes afetam a prestação de cuidados em oncologia ajudará a melhorar e mensurar o desempenho da equipe na resolução da assistência.

    Apesar dos incentivos e interesses na formação de EMD, ainda não sabemos com detalhes o que torna o trabalho em equipe eficaz no tratamento do câncer. Muito do que se sabe sobre o impacto das equipes multidisciplinares vem de estudos de outras especialidades médicas, especialmente a geriatria, de alguns tipos específicos de cirurgias e do tratamento de doentes crônicos.

    Um dos primeiros estudos a analisar de forma sistemática o impacto da equipe multidisciplinar no tratamento do câncer acaba de ser publicado. Pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer dos EUA e da Universidade Johns Hopkins fizeram uma revisão sistemática da literatura publicada entre 2009 e 2014 e selecionaram 16 estudos de um total de 7.806. Estes estudos abrangiam diferentes fases do tratamento oncológico: rastreamento, diagnóstico, tratamento ativo, cuidados paliativos e cuidados em final da vida. Todos os trabalhos selecionados apresentavam uma equipe multidisciplinar definida, um grupo comparativo e evidências sobre a evolução do paciente, como controle de dor, satisfação do paciente, medidas de qualidade de vida, tratamento baseado em diretrizes e sobrevida livre de doença.

    O objetivo do estudo foi, através de métodos comparativos, identificar práticas que pudessem levar a algumas conclusões sobre o desempenho dessas equipes, e desta forma, contribuir para um melhor entendimento do funcionamento das equipes multidisciplinares e auxiliar no desenho de estudos clínicos nesta área.

    Os resultados encontrados, embora limitados pela diversidade dos estudos e variáveis envolvidas, forneceram várias mensagens importantes para a prática clínica.

    O estudo mostrou que a presença de equipes multidisciplinares nos Programas de Rastreamento do câncer melhorava a adesão às diretrizes estabelecidas e diminuía o tempo de realização de exames mais complexos após a presença de um resultado suspeito, o que levaria à diagnósticos precoces em fases iniciais, possibilitando uma maior chance de cura.

    No momento do diagnóstico e do tratamento efetivo, a presença de uma equipe multidisciplinar definida melhorava a discussão dos casos e afetava positivamente o planejamento e implementação da terapia, com maior adesão às recomendações e maior eficiência na tomada de decisões clínicas, na informação dos pacientes e nos encaminhamentos para especialidades.

    Na fase de cuidados paliativos, a presença da equipe multidisciplinar trouxe melhora do controle da dor e maior aderência à medicações orais. Também foi evidenciado uma potencial redução em hospitalizações e uma melhor qualidade no final da vida.

    O estudo mostra que a formação de Equipes Multidisciplinares atuantes no tratamento do câncer é promissora no que diz respeito à melhoria da qualidade e da eficiência dos serviços prestados, devendo ser estimulada.

    Dr. Cid Buarque de Gusmão
    Médico oncologista e fundador do Centro de Combate ao Câncer

    Referências:
    Reviewing Cancer Care Team Effectiveness – Journal of Oncology Practice.
    May 2015 vol. 11 no.3 239-246

Agende sua Consulta

(11) 3059 6000 - seg à sex das 8h às 19h
Além de seus documentos pessoais, é muito importante que voce traga em sua primeira consulta seus exames mais recentes (anátomo patológico e exames de imagem) e o encaminhamento do seu médico.

 
 

Acreditações

Qualidade e excelência no atendimento reconhecidos no Brasil e no exterior.

Joint Commission International - desde 2014
Accreditation Canada - de 2010 a 2013
ONA - desde 2009